Fichamento 08: Redes sociais na Internet: Considerações iniciais

1957723_10152359802028453_1303705310_o.jpg

1 O Paradigma da Análise Estrutural das Redes Sociais

“Os primeiros passos da teoria das redes encontram-se principalmente nos trabalhos do matemático Ëuler que criou o primeiro teorema da teoria dos grafos. Um grafo é uma representação de um conjunto de nós conectados por arestas que, em conjunto, formam uma rede.”

“Para ir além dos atributos individuais e considerar as relações entre os atores sociais, a análise das redes sociais busca focar-se em novas “unidades de análise”,tais como: relações (caracterizadas por conteúdo, direção e força), laços sociais (que conectam pares de atores através de uma ou mais relações), multiplexidade (quanto mais relações um laço social possui, maior a sua multiplexidade) e composição do laço social (derivada dos atributos individuais dos atores envolvidos).”

2 Os Novos Estudos : Modelo de Redes Aleatórias, Modelo de Mundos Pequenos e Modelo de Redes Sem Escalas

“Para Watts, é preciso levar em conta que nas redes, os elementos estão sempre em ação, “fazendo algo”, e que elas são dinâmicas, estão evoluindo e mudando com o tempo. Portanto, a questão crucial para a compreensão dessas redes sociais passava também pela sua dinâmica de sua construção e manutenção.”

2.1 Modelo de Redes Aleatórias

“Erdos e Rényi concluíram que todos nós, em uma determinada rede, deveriam ter mais ou menos a mesma quantidade de conexões, ou igualdade nas chances de receber novos links, constituindo-se, assim, como redes igualitárias. Para os autores, quanto mais complexa era a rede analisada, maiores as chances dela ser randômica.”

2.2 Modelo de Mundos Pequenos

“Em seus estudos, ele descobriu que chamou de laços fracos (weak ties) seriam muito mais importantes, na manutenção da rede social do que os laços fortes (strong ties), para os quais habitualmente os sociólogos davam mais importância. Granovetter mostrou também que pessoas que compartilhavam laços fortes (de amigos próximos, por exemplo) em geral participavam de um mesmo círculo social (de um mesmo grupo que seria altamente clusterizado). Já aquelas pessoas com quem se tinha um laço mais fraco, ou seja, conhecidos ou amigos distantes, eram justamente importantes porque conectariam vários grupos sociais. Sem elas, os vários clusters existiriam como ilhas isoladas e não como rede.”

2.3 O Modelo das Redes Sem Escalas

“No mundo real, as redes costumam exibir um grau de distribuição (conectividade) variado, que não necessariamente funcionam num modelo ou outro. “Dependendo da definição teórica escolhida, as propriedades dos dois tipos de rede podem ser encontradas nas redes no mundo real”

3.1 Orkut

“Em princípio, o Orkut parece demonstrar a existência de redes sociais amplas, altamente conectadas, com um grau de separação muito pequeno, exatamente como o previsto no modelo de Watts e Strogatz. É possível, inclusive visualisar os “atralhos”ao visualizar perfis de desconhecidos. Entretanto, com uma observação um pouco mais detalhada, percebe-se que a maioria das “distâncias” entre os membros do sistema é reduzida pela presença de alguns indivíduos, que são “amigos de todo mundo”.

“Existe, assim, um interesse muito grande na popularidade, conseguida através de um número de amigos cada vez maior. Mas nem todos esses amigos sào realmente “amigos” 21. Isso porque é possível acrescentar quem se deseja como amigo sem que exista qualquer tipo de interação social entre os envolvidos.”

3.2. Blogs e Fotologs

“O modelo de Barabási, se aplicado a blogs e fotologs, traz alguns pontos importantes para a discussão: Existem algumas evidências de que os novos blogs e fotologs procurem contar-se a blogs e fotologs “famosos”(hubs), no sentido de aumentar suas chances de receber comentários e interagir socialmente. Isso tem uma relação intrínseca com a necessidade de visibilidade na Web. As conexões não são feitas de modo aleatório (contrariando, portanto, o modelo de Erdös e Rényi e o de Watts e Strogats): Elas são feitas de modo intencional. As pessoas escolhem a quem desejam se conectar, levando em conta valores específicos (tais como o capital social de um determinado grupo ou mesmo indivíduo).”

4.CONCLUSÕES E APONTAMENTOS PARA DISCUSSÃO

“Todos os modelos, portanto, apresentam falhas na aplicação às redes sociais na Internet, em grande parte, devido à sua natureza matemática e pouco investigativa do teor das conexões e da não presunção de interação para a constituição do laço social.”

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s